8 de mar de 2014

Pra entender o que é ser exclusivo, mamãe me ensinou a lavar banheiro e andar de ônibus

Eu agradeço a minha família por ter me ensinado a lavar banheiro, cozinhar e andar de ônibus, com a mesma tranquilidade que circulo pelos ambientes mais sofisticados. Acho que a diversidade me traz repertório e também não me importo se minha empregada usa o mesmo perfume que eu (ou vice-versa). Mas tem muita gente incomodada com essa confusão do que é ser classe A, B ou C, pelo menos é o que relata uma pesquisa realizada recentemente pelo Data Popular. http://migre.me/g8GpZ

Para a elite e para a sociedade brasileira, é o momento de rever esse conceito de exclusividade. O fato de termos cada vez mais tudo para todos é uma ótima chance para a valorização de uma exclusividade mais ampla que é o material humano.

E o que acontece com as estratégias publicitárias para atrair o consumidor? O desafio ainda inclui entender as pessoas pelo que se tem, para seduzi-las pelo que se pode comprar. Mas isso precisa ser revisto na hora de definir com quem queremos falar, ou compreender o que é um grupo homogêneo – passível de análise – em uma pesquisa, por exemplo.

Na publicidade e na vida, não bastarão as definições econômicas. Vamos ser cada vez mais obrigados a sair da superfície das compreensões para, através das ciências e das artes, entendermos que humanidade é essa por trás do consumo e levá-la adiante.