27 de nov de 2012

Branded content e espaços imaginários contra o encurtamento da infância

Muito se tem discutido a publicidade infantil, o consumismo que ela acarreta, a sua questão ética e legal. À margem desta discussão, gostaria de refletir neste post sobre um tema correlato: o encurtamento da infância e o papel que ações de branded content poderiam desempenhar neste sentido.


A série Infância Reinventada, produzida pela BrandWorks e veiculada na Band News, comentou este fenômeno que transforma crianças em pequenos adultos.

A indústria pouco tem contribuído para o desenvolvimento da infância. Todos somos bombardeados com anúncios e ofertas de produtos infantis que pouco estimulam o brincar como atividade lúdica, de desenvolvimento pessoal e social. Sendo assim, como uma ação de conteúdo de marca poderia aproveitar este assunto emergente e ser relevante de fato?

A minha proposta parte da inclusão, nos planos de marketing e comunicação, de uma avaliação multidisciplinar e integrada com profissionais de educação, sociólogos, antropólogos e psicólogos, que possam ajudar empresas a reavaliarem sua posição diante da infância.

Neste sentido, quero destacar o Espaço Imaginário em Campo Grande como uma excelente iniciativa a ser integrada em ações de branded content e patrocínio para empresas que trabalhem, por exemplo, com brinquedos educativos, ou com a valorização do lúdico.

OMO , Trenzinho Brinquedos Educativos, Brinq Mania Brinquedos Criativos, são marcas que poderiam apoiar ações como o Espaço Imaginário?


*Publicado em Trespontos Brasil em junho de 2011.